• Helia W. Rodriguez

Um tipo de oração que Deus responde


Bartimeu era um mendigo cego .Não sabemos o quanto ele sabia de teologia, mas por certo ele sabia que Jesus curava os enfermos.Então ele estava sentado à beira do caminho pedindo esmolas e ele ouviu a voz de Jesus quando Ele estava à caminho de Jerusalém. Ele reconheceu a voz do mestre e gritou: "Jesus filho de Davi, tem misericórdia de mim". E muitos gritaram "cale a boca" pois como poderia um mendigo importunar o filho de Deus? Mas Bartimeu estava decidido, vamos dizer, desesperado e gritou ainda mais alto :"Jesus filho de Davi, tem misericórdia de mim". E Jesus ouviu e mandou que trouxesse aquele cego.Posso imaginar o coração de Bartimeu palpitando audivelmente e seu corpo tremendo de apreensão, pois afinal ele tinha sido ouvido.E Jesus o pergunta: "O que queres que eu lhe faça"?

Essa pergunta deve ter ecoado em sua mente para o resto de sua vida: O que queres que eu lhe faça? Bartimeu fez apenas um pedido: "Mestre, eu quero ver" e Jesus o disse, "vá, a tua fé te salvou" e imediatamente ele recuperou a visão .(Marcos 10:46-52).

Bartimeu nos ensina um modelo de oração que Deus ouve.Como cristãos a maioria de nós estamos insatisfeitos com a essa parte de nossa liturgia, quando oramos com frequência, em algum ponto temos a sensação de que não estamos sendo ouvidos.Se oramos pouco, nos cobramos pois sabemos que a oração reflete a nossa fé e sem fé não existe vida cristã, e se não oramos nada, nos sentimos culpados e pertencentes a uma segunda categoria de cristãos, pois ouvimos constantemente o Espírito clamar Aba Pai dentro de nós e o resistimos.

Vemos nesse texto um exemplo que a nossa oração deve ser simples, mas verdadeira.Creio que esse cego orou por menos de 3 minutos e a sua oração foi respondida.Não estou fazendo nenhuma apologia a orar apenas esse tempo.Mas, algumas vezes, esquecemos que Deus ouve nossas orações mesmo quando elas não são tão longas.Outro ponto, é que geralmente falamos com Deus de um modo formal porque estamos falando com um rei, mas esse rei é também o nosso Pai que está nos céus.É importante expressarmos diretamente à Ele o que desejamos, sem rodeios e sem justificarmos o porque estamos dizendo aquilo.

Precisamos ter total reverência ao entrarmos em sua presença, mas creio que a maior expressão de reverência à Deus, é quando temos fé. Cremos absolutamente que Ele é o todo poderoso, o Senhor de todas coisas, aquele que controla o universo.Essa fé é uma expressão de reverência à Deus e quando trazemos essa convição em nossos corações e mentes , aí sim, podemos, como Bartimeu, orar com liberdade.Pois Deus se agrada dessa fé.

É importante ter muito claro em nossa mente o que queremos.Algumas vezes Deus não responde porque nem nós mesmos sabemos o que queremos.Bartimeu não pediu para deixar de ser mendigo, não pediu uma casa, nem um emprego.Ele queria ver.Ele foi específico.E Jesus respondeu a sua oração lhe devolvendo a vista.

Há momentos em que nos sentimos sufocados e a nossa vida aos poucos vai se estacionando porque não podemos mais ver.Não conseguimos ter esperança, nem fé, nem gratidão, nem alegria, nem cores, nem sabores porque a cegueira do pecado foi nos tomando sutilmente e aprendemos a nos adaptar à escuridão.Doenças, decepções, frustrações, amargura, e etc., eventualmente pode adoecer o nosso coração nos causando cegueira espiritual.

Mas, nós nascemos para a luz, vivemos para contemplar o brilho da vida e usufruir da alegria que vem de Deus.Algumas vezes precisamos fazer como Bartimeu: sair correndo ao encontro de Jesus e em desespero, gritarmos por socorro.E se outras vozes disserem o contrário, gritemos ainda mais alto: Jesus filho de Davi, tem misericórdia de mim.Com fé, com paixão, com desespero, como Bartimeu que gritou sabendo que Jesus era a sua única e absoluta esperança de ver.Corramos para Cristo porque precisamos ver.

Jesus nunca mais passou por aquele caminho porque em Jerusalém Ele foi crucificado, morreu, ressuscitou e subiu aos céus.Se Bartimeu tivesse esperado um pouco mais, ele nunca teria enxergado, ele nunca teria encontrado o mestre.Um dia após, todas as oportunidades de se encontrar pessoalmente com o mestre e ser curado, se findariam.Com que urgência temos buscado o mestre, e a cura que tanto necessitamos, seja no espírito, na alma ,ou no corpo?! Nunca sabemos se teremos outra oportunidade.

Gritar pedindo misericórdia é um ato de absoluta humildade e submissão à Cristo.É reconhecer os nossos limites, é entender o limiar de nossa natureza caída, é reconhecer a fragilidade de nossa estrutura, é admitir a nossa própria miséria e se tornar convicto de que nós não somos nada e sem Cristo, certamente pereceremos.Esse grito coloca as coisas em perspectiva, ele declara que Deus é Deus, o todo poderoso e nós somos inteiramente dependentes Dele.

Eu posso imaginar as lágrimas descendo dos olhos de Bartimeu quando ele começou a enxergar.Lágrimas para lubricar as córneas, lágrimas de gratidão e alegria.

Não existe uma regra de como devemos orar . Ana, por exemplo, em seu desespero, apenas movia os seus lábios pedindo um filho e Deus a respondeu dando-a filhos (1Samuel 1:10-20). Martin Lutero, afirmou: "Quanto menos as palavras, melhor a oração".Quando falamos menos, reduzimos o risco de dizer o que não devemos.

O meu desejo nesse texto é te incentivar a orar .Creio no verdadeiro deleite de gastar um longo tempo na presença de Deus.Mas, a verdade é que brigamos com nós mesmos quando não conseguimos ou ainda não temos a disciplina de orar 30 minutos ou uma hora por dia.Então, faça uma oração menor, mas de coração, porque Deus escuta orações curtas.Mas, por favor, não deixe de orar.E estou certa que esta experiência de ver Deus responder às suas orações breves te levará a gastar mais tempo com Ele.

Muito obrigada.Um abraço.Deixe o seu comentário e se gostou, compartilhe no seu facebook.Helia

646 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo